ATE AQUI CHEGAM ECOS DAS “MARCAS DAS CIENCIAS….”

Ontem recebi este email:

No dia 24 de Outubro de 2012 11:23, <rothesster@gmail.com> escreveu:

Exmos. Senhores (as)

Muito agradeço que informem qual a rua onde fica o Convento das Trinas e quais os transportes públicos que se podem usar, para possível visita com grupo de estrangeiros. Qual o contato a usar para formalizar a visita.

Antecipadamente grata,

Cordialmente Mª Natália AR.

Como os demais, e sempre estao a chegar, trouxe-me a alegria de sentir como o

PROJECTO MARCAS DAS CIENCIAS E DAS TECNICAS PELAS RUAS DE LISBOA (ver link 19 – http://marcasdasciencias.fc.ul.pt/pagina/inicio)

se revela continuamente util.

Sempre tenho o cuidado de responder, mesmo se, como acontece neste caso, lamentando nao poder acrescentar informacao condigna

Bom dia

Respondo de Kathmandu, Nepal, com dificuldades de conexao via Internet, por isso, impossibilidade de aceder ao vosso pedido.

saudacoes dos Himalaias e minhas

Ana Luisa Janeira

PROJECTO MARCAS DAS CIENCIAS E DAS TECNICAS PELAS RUAS DE LISBOA

QUE ESTE TEMPO DESTEMPERADO
SE TRANSFORME
NUMA FORMA NOVA DE VIVER A SIMPLICIDADE
E A ALEGRIA DE SER!
Ana Luísa Janeira
AVENIDA CONSELHEIRO BARJONA
DE FREITAS, 5, 6º C
1500 – LISBOA

PREPARANDO A IDA AO BUTHAN

Entre um lama e seu “precioso” telemóvel e uma outra andarilha equipada para permanentes leituras, resta-me não ficar à margem da tecnologia e usar o portátil, onde leio este email acabado de chegar, e que culmina quase seis meses de diligências

logo começadas em Lisboa + mediadas pou um dia de conversações em Kathmandu

Dear Ana Luisa,
Good morning…

Thanks for the email.
Enjoy retreat in Kirtipur. These days are holidays, as you know one of the biggest feastival in Nepal. Only our operation department is working as well as in intrek the same. You will get visa 2-3 days before you go by email. Pls print and go to airport 3 hours early.

cc btnintrek@infoclub.com.np
Dear Nirmala Ji, Jayanti Ji,
Happy Vijaya…

Kindly once visa will be ready pls send to both address. They received airticket already waiting for the visa.
Thank you very much for your co-operation.
Enjoy Dashain as much as you can…

With warm regards.

Deepak B Roka
Managing Director
Mountain Adventure Trekking Pvt. Ltd
Post Box 3440 Kupondole Lalitpur Nepal.
Email: deepakroka@wlink.com.np,matnepal@ntc.net.np
MSN: deepakroka@hotmail.com
For Reservation pls cc to mtnatrek@gmail.com
www.matnepal.com www.nepaltourstreks.com
Phone No: +977 1 5530103 / 5011518
Mobile No: +977 98510 321

DECISOES QUANTO A DIVULGACAO DAS FOTOGRAFIAS

NOTA ESCLARECEDORA – Ate sabado, das 10 hs. as 16 hs., trabalho, (sim porque isto e trabalhar) no computador de Lobsang, uma optima maquina. O meu tem-se dado mal com as ligacoes a internet local. Por isso, nas outras horas, uso o da Lucilia que < reagiu bem as mudancas de fusos>. 

Varias pessoas tem dito que gostariam de ver as fotos, muitas, que ja tirei. A Lucilia, essa, “especializou-se em pequenos videos” [descanse Estela que ela ja prometeu uns tantos para o http://www.triplov.com].

Por outro lado, apesar da capacidade descritiva, nomeadamente da “nossa retirante em exercicio”, sentimos vivamente que serao importantes para transmitir as formas ou cores, que tanto nos encantam por aqui, e com isso aumentar o efeito da informacao. Aspecto que queremos assumir ate ao fim!

Assim sendo, pensando bem e como nao quero passar tempos infindos a prepara-las e envia-las (NOS ULTIMOS DIAS CHEGOU A SER OBSESSIVO!!!), tomei a decisao de dar prioridade a quantidade:

– nao farei seleccao

– reduzirei os pixeis

– enviarei por EMAIL e(ou) colocarei em ALBUNS PICASA

Mais adiante e depois do regresso

ATENDEREI A QUALIDADE E DAREI A QUEM PEDIR UNICAMENTE  < AS BELAS SEM SENAO>

entendido? espero que sim

ACORDAR COM OS HIMALAIAS

São 6 da manhã. Os Himalaias já acordaram no nosso limite do horizonte, lá longe. E com ele, eu também. Pois é verdade, não sei se por esta disciplina envolvente – com muitos sons que até ainda não percebi bem como são produzidos – levanto-me como as outras pessoas bem cedo. E hoje apeteceu-me imediatamente dizer que parte dos edifícios à nossa volta são de tijolo, o bairro é pobre, mas quando são pintados, como o Mosteiro, são imensamente coloridos, dando um tom garrido à paisagem.

Desde sábado que não vamos à rua.

Contudo, mesmo para quem não está no retiro, como é o meu caso, há sempre que fazer: saborear o sol numa cadeira e ver quem chega para ir ao templo, com as festas de Novo Ano, famílias inteiras aparecem para entregar oferendas; observar a lida quotidiana das monjas nas limpezas e com uma forma de vassourar especial; olhar como a nebelina se levanta e as neves eternas só pelas 16 hs. são visiveis; ler livros que a biblioteca guarda com cuidado e outros que trouxe comigo; tirar fotos, média de umas 200 por dia; conversar com as pessoas, o que se torna fácil dado os nepaleses serem bem abertos e espantoso como até as crianças lá vão falando inglês. Em abono da verdade, o que menos tenho feito é ir ao Templo, pois fui unicamente uma vez. Mas ele permanece sempre presente pelos sons quase permanentemente no ar.

Já são quase 7 horas. Vou preparar-me para o pequeno almoço.

NOTA – a comida continua óptima!

Este slideshow necessita de JavaScript.

PRATICAS DE MEDITAÇAO

Centrada no seu objectivo maior para esta viagem, a Lucilia tem investido com seriedade e totalmente numa investigação persistente e cuidada:

– percepcionar comportamentos, observar praticas budistas (mesmo quando em Bouddhanath, isso a obrigou a estar na Stupa às 4.30 da manhã, todos os dias) e, desde domingo, vivenciar um retiro num KAGYU MONASTERY.

Agora, lá começa ela, pelas 6 da manhã, com os demais: uma francesa, dois alemães, vários dinamarqueses e outros de Singapura. Mulheres e Homens. Todos simpáticos [nota – entre os estrangeiros, sou a única fora do grupo “medidativo”, mas tendo bom diálogo com todos e recebendo de todos um trato carinhoso]

São tais as exigências da meditação, tais as práticas a seguir entre os ensinamentos do Ripoche, que ela anda numa roda-viva, mas feliz.

POR ISSO, PERCEBEM COMO ESTA IMPEDIDA DE MANTER A SUA HABITUAL ESCRITA SUGESTIVA.

Neste momento, já depois do lanche, lá correu ela para NOVO ENSINAMENTO….

Tendo sido minha aluna muito aplicada, na FCUL, há mais de 30 anos, sei bem que irá sair muito bem desta iniciação.

MEMORIAS SOBRE OS JESUITAS NOS HIMALAIAS E TIBETE

Pelo facto de estar com problemas no envio das fotografias, estou desde esta manhã, a partir das 10 horas, na Sala de Informática do Kagyu Institute for Buddist Study. E de vez em quando, lá vou conversando com o informático que me está a ajudar.

Sabendo-o originário do Tibete resolvi avançar com algumas perguntas relacionadas, claro está, com o meu grande tema:

< O senhor sabe quem foram os primeiros europeus a percorrer o seu país? >

<Sabe ainda quem terá chegado primeiro aos Himalaias?>

Sim, sei, foram os padres jesuítas, sendo o primeiro de todos, um jesuíta austríaco.

AO OUVIR ISTO, PENSEI

– AI COMO O PADRE ANTONIO ANDRADE, jesuita português, DEVERA ESTAR A REMOVER-SE NO TUMULO….. –

e expliquei com pormenores a Lobsang Tsultrim,  muito interessado,  o que a RTP2  tão bem mostrou recentemente

ver http://fugas.publico.pt/Viagens/297073_seguindo-os-passos-dos-jesuitas-portugueses-pelos-himalaias

Assim (não)vão as memórias portuguesas pelo mundo…..

SIMONE WEIL REVISITADA 50 ANOS DEPOIS

A 3 de Outubro, passei de propósito pelo Porto, para ter a alegria de almoçar com antigos colegas meus da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e assim iniciarmos as nossas COMEMORAÇÕES DOS 50 ANOS DO PRIMEIRO CURSO DE FILOSOFIA DA FLUP, restaurada em 1962.

Foi um tempo muito agradável. No meio de outras recordações, lembrei-me como havia um grupo unido e terem sido alguns colegas que, no dia dos meus 21 anos, me ofereceram de presente dois livros da Simone Weil (nota – sugestão do José Carlos Costa Marques, que também neste pormenor mostrou suas qualidades de liderança).

Chegada a casa desse Maio de 1964, comecei motivada a leitura e, uma semana depois, o Padre Júlio Fragata aceitava ser orientador da minha tese de licenciatura sobre o pensamento de SW, a iniciar um ano depois. AMOR À PRIMEIRA VISTA.

Desde então a vida+obra dessa mulher nascida em 1909 tornou-se uma MARCA INDELÉVEL NA MINHA VIDA. Mas, de há uns tempos a esta parte, devo confessar, com uma renovada intensidade. Isso acontece, fora de dúvida, pelos momentos de “détressse” profunda que me assaltam com origem nos desmandos locais e globais. Na verdade, a maneira como ela denuncia o “GROS ANIMAL” vem-me à memória frequentemente, e tenho imagens que ainda não comecei a confirmar (porque de 1967 até hoje muitas foram as outras paragens mentais por onde andei) que me parecem boas pistas de reflecção-acção. Asssim, sinto que vou ter que voltar, imperativamente, ao seu convívio, para que também ela me ajude, agora, a reagir positivamente ao ambiente geral, onde me recuso a viver sem ESPERANÇA.

Renovada intensidade, também e ainda, pelo valor atribuído à “attente”/”attention”, como bem me recordou, com a sagacidade de sempre o meu amigo Antonio Lafuente, da última vez que nos encontrámos em Madrid. Sim, porque chegou o momento de dar valor à lentidão (exemplo: a minha lombalgia obriga-me geralmente a andar devagar, e o que disso tem resultado? uma maior capacidade de atender ao que acontece à minha volta: como o deitar na relva ou num banco de praça, tirando fotografias bem curiosas (ombreiras, varandins ou tectos de casas, copas de árvores e nuvens), como ocorreu anteontem em BHAKTAPUR, cidade onde Bertolucci rodou O PEQUENO BUDA.

Finalmente. e o mais importante de tudo, pela sensação de ter chegado o momento de dar um passo em frente e superar a suspeita que sempre me acompanhou = dediquei à SW uma quota-parte da minha vida intelectual, fiz com bons resultados uma interpretação à altura do seu pensamento, mas… sempre dentro dos limites e regras do pensamento ocidental.

LIMITES QUE NÃO CONSEGUI AINDA ULTRAPASSAR DEVIDAMENTE, E ISTO DESDE E MESMO DEPOIS DE 1967.

Assim sendo, esperemos que agora vá poder revisitar SW, que tanto leu o pensamento oriental com grande domínio do sânscrito, e dela receber algumas perspectivas novas para a minha preocupação permanente de encontrar

CONTORNOS URGENTES do(s) novo(s) paradigma(s) PARA UM MUNDO MAIS JUSTO, MAIS HARMONIOSO E MAIS BELO!

TAMBEM POR ISSO AQUI ESTOU EU

ana luísa

NO DIA DE ANO NOVO NEPALÊS

 

ERRO MEU

SIM, JA PERCEBI HA UNS DIAS

QUE ALGUNS DOS MUITOS DESEJOS QUE COLOCARAM

OU ENVIARAM POR EMAIL
E INTRODUZIMOS COM PERSISTENCIA,

DESAPARECERAM POR UM CLIQUE DESPROPOSITADO E ERRADO

[motivado por andar com a cabeça tão levantada por tanta e bela altitude?]

COM PACIENCIA (ou não estejamos aqui numa atmosfera do tipo) IREMOS TENTAR RECOLOCA-LOS = UM CERTO TREINO DE DISCIPLINA, não será verdade?

erro meu, desculpas minhas

ana luísa